Um em quatro aprovados desiste da USP

Dos 10.652 nomes da 1ª chamada do vestibular, 2.562 (ou 24%) não fizeram a matrícula; em 2005, foram 13%. Reitoria, escolas e MEC atribuem fato a aumento de vagas nas federais, seleção via Enem e bolsas e financiamentos

Laura Capriglione e Fábio TakashiFolha de São Paulo

A USP, maior universidade pública do país, cujo logotipo impresso em um diploma é símbolo de excelência, essa universidade foi, neste ano, esnobada por nada menos do que um em cada quatro alunos aprovados no vestibular.

Dos 10.652 nomes que constavam na primeira chamada da Fuvest (fundação para o vestibular), 2.562 não se apresentaram para a matrícula. O resultado dessa espécie de evasão instantânea é que nunca foi tão gorda a lista da segunda chamada.

Em 2005, de 9.567 aprovados na Fuvest, 1.243 desistiram da USP na primeira chamada -dava 13% do total.

Cursinhos, reitoria da USP e MEC atribuem o fenômeno: 1) à multiplicação de vagas nas universidades federais (e em algumas estaduais); 2) ao Sisu (Sistema de Seleção Unificada do ministério), pelo qual um estudante pode disputar vagas em várias universidades públicas, fazendo apenas uma prova (o Enem); 3) ao ProUni (bolsas de estudo na rede privada); 4) ao Fies (financiamento estudantil do governo federal), que concede empréstimos para pagamento de mensalidades a juros de 3,4% ao ano.

“Na prática, o aumento do entorno tem impacto”, admite a pró-reitora de graduação da USP, Telma Zorn.

Segundo o secretário de Ensino Superior do MEC, Luiz Claudio Costa, foram firmados 71.600 contratos pelo Fies em 2010, 420 mil bolsas de ProUni estão atualmente em vigor e o sistema federal de ensino superior admitirá 243,5 mil calouros em 2012 (em 2003, eram 110 mil).

“São novas alternativas de qualidade oferecendo-se aos jovens de todo o país”, diz.

Há desde o rapaz que prefere ir para uma escola privada perto de sua casa ou do trabalho até aquele que, para fazer o curso desejado em uma instituição federal, até topa mudar de Estado (28% das vagas em disputa no Sisu foram preenchidas por alunos “migrantes”).

O fenômeno das desistências na USP tem afetado as escolas de maneira diferenciada. Se na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo houve apenas uma desistência entre os 150 aprovados, o curso de fonoaudiologia de Bauru, com 40 vagas, ficaria às moscas se houvesse só a primeira chamada. Nada menos do que 39 evadiram-se antes da matrícula (97,5% do total).

Das 19 carreiras com índice de desistência maior ou igual a 40%, 16 estão em escolas do interior (Bauru, Ribeirão Preto, São Carlos, Pirassununga, Lorena).

A Fuvest já divulgou a terceira lista de aprovados, na expectativa de preencher 1.113 vagas ainda sem dono.

Os convocados, é óbvio, são candidatos que fizeram menos pontos do que os chamados na primeira e segunda listas. O curso de fonoaudiologia de Bauru, onde 65% das vagas continuam sem ter quem as queira, está chamando 26 estudantes.

[Esta matéria foi publicada originalmente no jornal Folha de São Paulo, edição de hoje]
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: