Rodrigo Vianna: Fração Bolchevique e a mancha vermelha (Histórias do Movimento Estudantil da USP)

Rodrigo Vianna do blog Escrevinhador

Depois de uma bem-sucedida cirurgia dentária, recebo a recomendação de repouso. Nada de movimentos bruscos, nada de esforço, nada de reportagem na rua.

OK. Escolho o escritório aqui de casa para o descanso forçado. E acabo de achar, esquecida na gaveta, uma daquelas velhas pastas – com folhetos e anotações da época de Faculdade. Nada relacionado ao estudo. 1987, 1988, 1989… Foram anos intensos, por causa da militância política. Além de Jornalismo, cursei História, na USP. E logo mergulhei naquele emaranhado de tendências e pequenos grupos que pareciam acreditar na iminência da revolução socialista.

A Convergência Socialista-CS (que depois viraria PSTU) era uma tendência do PT: grupo trotskista, com uma dúzia de militantes (barulhentos) na USP. Entre eles o Wilson, que costumava brincar com sua condição: “sou minoria pra valer, triplamente minoria – negro, homossexual e trostskista”.

Também havia a turma de “O Trabalho” (antiga Libelu, outra facção trostkista), a DS (trotskista também), os “igrejeiros” (esquerda católica), o PPS (tendência “basista” do PT, não confundir  com o atual partido de Roberto Freire), a Articulação (setor majoritário do PT),  o PCdoB (que no movimento estudantil atuava sob o nome de “Viração”). Fora os independentes e “anarquistas”.

Era um cipoal de siglas que confundia e afastava os estudantes “comuns” dos debates. Confusão geral. Divertido. Mas era preciso ter paciência. O que me incomodava era a distância entre discurso e realidade. Nas assembléias, gastava-se mais tempo com debates sobre a solidariedade aos “guerreiros tamis” (facção que lutava pela independência do Sri-Lanka), do que para tratar das questões da Universidade.

Por isso, eu não me identificava muito com nenhuma das tendências. Tinha simpatia pelo  Brizola, mas o PDT inexistia em São Paulo. Acabei -me aproximando ( por afinidades pessoais e pela moderação no discurso, o que me agradava) da turma do velho PCB! Sim, na época ainda havia o velho PCB – alinhado com a União Soviética.

A “base comunista” na USP devia contar com uns doze ou 15 militantes – incluindo gente de quem sou muito amigo até hoje, como o jornalista Rogério Pacheco Jordão e o economista Demian Fiocca. Mas também havia o Pedro Puntoni (hoje professor de História na USP), a Silvia Lins (também professora), o Andre Goldmann ( filho do ex-governador tucano Alberto Goldmann, que na época estava no PCB), a Marcela, a Claudia, a Valéria.  A Monica Zarattini (que eu encontraria muito tempo depois como fotógrafa do “Estadão” – onde continua até hoje) era a coordenadora da “base”.

Lembro bem que, em 1987, eu era diretor do Centro Acadêmico na História, e organizamos um seminário sobre os “70 Anos da Revolução de Outubro”. Pau puro. Os trotskistas dominaram os debates – com críticas (merecidas) ao burocratismo do Estado soviético. Na mesa, um dos debatedores era o velho Zarattini (pai da Mônica), militante histórico, a quem tínhamos convidado porque ele era do PCB (anos depois, entraria no PT).

Diante de tantas críticas à URSS, Zarattini respondeu com uma frase dura e típica: “a pior forma de anticomunismo é o anti-sovietismo”. Fez-se silêncio no auditório.  Parecia um argumento fora do tempo. E era. Cinco anos depois o bloco socialista ruiria.

Por essas e outras, o PCB não era lá muito popular entre os estudantes. Rogério e Demian, certa vez, foram procurar um veterano “dirigente” do partido para decidir a linha política a ser adotada nos embates do movimento estudantil. A resposta do “dirigente”, típica do velho partidão:  “olha, na USP nossa linha é muito clara, o nosso aliado principal é… o reitor”. Balde de água fria na cabeça dos jovens militantes. Como dizer isso aos estudantes que queriam reivindicar, cobrar, brigar, mudar tudo?

He, He. Um partido assim não podia durar muito tempo.

1988: pouco antes de aderir à Fração Bolchevique

O PT, com suas várias tendências, era totalmente hegemônico na Universidade. Em 88, organizamos um outro seminário, sobre os 20 anos do Maio de 1968: “A Imaginação no Poder”. A foto ao lado mostra esse escrevinhador, ao lado do principal convidado  – os dois tinham muito mais cabelos.

Em 88, fiz campanha pra um vereador do PT – o Chico Whitaker, ligado à Igreja. A brincadeira com o Chico na época era: “sua campanha tá tão forte, e tão ampla, que tem até comunista misturado na Igreja”. Mas comunista nunca fui. Não me filiei ao PCB. Era considerado apenas “área de influência” (como se dizia no jargão da época).

Em 89, veio a campanha presidencial. O PCB lançou Roberto Freire (ele teria só 1% dos votos), que  conquistou simpatias na classe média. Mas a “base” da USP não ficou com ele, rachou com o partido e decidiu apoiar Lula.

Como eu disse, éramos poucos. Mas o apoio da “base comunista da USP” a Lula animou a turma do PT. Lá pelo meio do ano, organizou-se o “Núcleo pró-Lula na Universidade de São Paulo”. A reunião de lançamento aconteceu na FEA, a Faculdade de Economia. Sala lotada. Mais de cem pessoas. Na mesa, a turma do PT e do PCdoB. Elegeu-se uma comissão, com representantes de todas as tendências: Articulação, DS, CS, OT, Igreja, PCdoB… Até que alguém olhou pra um canto do auditório e viu Rogério e eu lá quietinhos: “escuta, gente, precisamos incluir na coordenação um representante do … do PCB… ou da dissidência do PCB. Afinal, vocês são o que?”

O Rogério não teve dúvidas, e lascou na base da gozação: “somos da Fração Bolchevique do PCB”. O cara na mesa não percebeu a ironia, e concluiu: “então, registre-se em ata, a Fração Bolchevique também está com Lula”.

A Fração Bolchevique, inventada pelo meu amigo Rogério, não durou muito. Passada a eleição, a “base do PCB” se desintegrou. E a maior parte da turma migrou para o PT.

Antes disso, agitamos bastante. Numa passeata pró-Lula, meu irmão (que não era próximo do PCB, mas também apoiava Lula) e eu ficamos incumbidos de arrumar tinta pras faixas. Compramos a lata, gigantesca, que eu desavisadamente deixei  sobre uma cadeira na sala de casa. Na hora de sair pra pintar as faixas, esbarrei na cadeira, a lata voou, e aquela tinta vermelha esparramou-se  toda pelo carpete de casa…

À noite, meu pai viu a mancha no chão, e perguntou o que era. Diante da nossa explicação, desferiu ironicamente: “vocês querem votar em Lula, tudo bem; mas, por favor, mantenham o carpete de casa longe dos embates políticos”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: