Abuso e retrocesso na Paulista

É esta polícia que querem na USP, em vez de segurança traz o medo da perda de direitos como a liberdade de expressão. 

Abuso e retrocesso na Paulista

Repressão à marcha pela liberdade de expressão resulta em ação da PM com nível de violência e brutalidade como há muito não se via

Por Paula Miraglia, colunista do iG

Recentemente o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, fez criticas à resistência à presença da Polícia Militar na Cidade Universitária. “Isso é um resquício do período autoritário”, “Estamos vivendo outro momento”, disse. Enfatizou, ainda, que associar segurança pública à repressão é algo superado.

Concordo com o governador. Segurança deveria ser, acima de tudo, sinônimo de liberdade e a polícia um instrumento para garanti-la. Mas convido Alckmin a assistir às imagens ou a escutar os manifestantes que estiveram na Paulista no último sábado. Eles têm uma outra história para contar.

A repressão à “marcha pela liberdade de expressão”, que veio substituir a “marcha da maconha”, resultou numa ação da Polícia Militar com níveis de violência e brutalidade como há muito não se via. Os participantes foram atacados aleatoriamente com balas de borracha e bombas de efeito moral e agredidos de forma covarde por policiais militares e guardas municipais.

Uma das explicações dadas pela PM sugere que o confronto eminente entre manifestantes pró e contra a legalização da droga motivou a a ação.

Mas não seria tarefa da polícia justamente a gestão e prevenção de conflitos envolvendo violência? O que vimos na Paulista foi exatamente o contrário: em segundos a PM converteu-se no grande promotor de violência, sem nenhum critério ou planejamento tático aparente. O que determinou, por exemplo, o uso das balas de borracha e bombas de efeito moral? Havia alguém armado? Os manifestantantes estavam depredando o espaço público? Houve agressão entre participantes? Nada disso estava acontecendo.

Forças policiais modernas usam estratégias diversas para conduzir situações como essa. Evitam o confronto porque estes custam financeira e politicamente. Mas a Polícia Militar de São Paulo não parece ter pensado nisso. Na verdade, não parece ter pensando em nada. Prova disso é que não apenas os manifestantes foram tratados com violência, mas jornalistas que estavam no local fazendo seu trabalho foram atacados e feridos, assim como pedestres e motoristas que nada tinham a ver com a manifestação.

Vimos em ação uma versão antiga de polícia, que abriu mão da racionalidade para adotar a brutalidade como princípio, que não parecia ter no seu repertório inteligência ou tática, mas apenas a truculência. Além de uma grave violação do direito de expressão, do abuso de poder e da violência, o episódio é particularmente triste poque faz retroceder as relações entre sociedade civil e polícia.

Torna mais difícil o trabalho de todos os profissionais (incluindo policiais), que estão tentando construir uma ideia de segurança que se afirme como direito, como desenvolvimento, plural, em que a polícia seja acessada como um serviço, em que o policial seja visto como um promotor de direitos e um profissional a ser respeitado. Fica difícil evocar respeito depois de assistir às imagens das agressões protagonizadas por policiais.

Para que a afirmação do governador de São Paulo seja mais do que retórica, sua política e sua polícia têm de praticar uma versão de segurança pública muito diferente daquela que vimos na Avenida Paulista.

[Veja também vídeo com a ação da PM no sábado último]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: