arquivo

Arquivo mensal: abril 2011

Muitos professores e alunos se revoltam contra a revolta das funcionárias da limpeza que despontou em algumas das unidades da USP, após a empresa dar um calote horroroso em seus parcos salários. Nenhum destes quer saber se estes funcionários e funcionárias vão receber.

A reitoria quer empurrar a responsabilidade para a empresa. Esta empurrou para a faculdade e ninguém quer assumir quem vai pagar. Não querem aumento de salário, o que seria justo pois recebem pelo piso nacional e não estadual para prestação de serviço terceirizado, mas querem apenas receber o que trabalharam e não foi pago. Read More

Anúncios
 
Extra ! Extra !
Parem as prensas, pare a imprensa !
Confiram mais um furo do nosso bolog.

Eis que sabendo da questão de nossos funcionários da limpeza que
protagonizam a dita revolta das vassouras, nada menos que Carlos
Drummond de Andrade, diretamente de uma mesa espírita manda texto
em apoio à greve dos faxineiros da USP.

Vejam vocês o brilho e a clareza do mestre :

CONVERSA COM O FAXINEIRO

Amigo faxineiro, mais paciência.
Você não pode fazer greve.
Não lhe falaram isto, pela voz
do seu prudente sindicato?
Que você é terceirizado e
não sabe que sua pá de lixo
é essencial a pesquisa científica nacional?

A lei o diz (decreto-lei que
nem sei se pode assim chamar-se,
em todo caso papel forte,
papel assustador). Tome cuidado,
faxineiro camarada, e pegue a pá,
me remova depressa este monturo
que ofende a minha vista e o meu olfato.

Você já pensou que descalabro,
que injustiça ao nosso status butantãnico, paulistânico,
pinheirense,
madalênico,
se as calçadas da reitoria, da FEA e outras conspícuas
vias de alto coturno continuarem
repletas de pacotes, latões e sacos plásticos
(estes, embora azuis), anunciando
uma outra e feia festa: a da decomposição
mor das coisas do nosso tempo,
orgulhoso de técnica e de cleaning?
.
Ah, que feio, meu querido,
essa irmanar de ruas, avenidas,
laboratórios, faculdades, praças e betesgas e tatatá
da nossa USP tão precisa
e tão compartimentada socialmente,
na mesma chave do perfume intenso do Pinheiros
que Lanvin jamais assinaria!

Veja você, meu caro irrefletido:
a Rua Cata-Piolho, em Deus-me-livre,
equiparada à Rua da Reitoria
(ou esta àquela)
por idêntico cheiro e as mesmas moscas
sartrianamente varejando,
os restos tão diversos uns dos outros,
como se até nos restos não houvesse
a diferença que vai do lixo ao luxo!

Há lixo e lixo, meu faxineiro.
O lixo comercial é bem distinto
do lixo acadêmico, e este, complexo,
oferece os mais vários atrativos
a quem sequer tem lixo a jogar fora.
Ouço falar que tudo se resume
em você ganhar um pouco mais
de mínimos salários.
Ora essa, rapaz: já não lhe basta
ser o confiscável serviçal
a que a USP confere a alta missão
de sumir com seus podres, contribuindo
para que nossa imagem se redobre
de graças mil sob este céu de anil?

Vamos, aperte mais o cinto,
se o tiver (barbante mesmo serve)
e pense na universidade, nos seus mitos
que cumpre manter asseados e luzidos.

Não me faça mais greve, irmão-faxineiro.
Eu sei que há pouco pão e muita pá,
e nem sempre ou jamais se encontram dólares,
jóias, letras de câmbio e outros milagres
neste pântano do butantã.

E daí? Você tem a ginga, o molejo necessários
para tirar de letra um samba caprichado
naqueles comerciais de televisão,
e ganhar com isto o seu cachê
fazendo frente ao torniquete
da inflação.

Pelo que, prezadíssimo faxineiro,
estamos conversados e entendidos:
você já sabe que é essencial
à pesquisa nacional
e, por que não, à educação multinacional.
 

Ana Okada – UOL Educação

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quarta-feira (6), por 8 votos a 1, a validade da Lei do Piso Nacional do Magistério. Após adiar por duas vezes o julgamento do mérito da matéria, o Supremo rejeitou a ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) 4167. A ação alegava que a lei era inconstitucional, e havia sido impetrada por cinco Estados. Read More

por Alex Cosec (colaborador deste blog)

Este artigo é uma simples divagação. Foi pensado pela primeira vez numa caminhada pela praça do relógio da USP e repensado para o coletivo uspiano “Em defesa da Educação”.

As universidades públicas são o lócus privilegiado do debate de idéias, da produção de ciência pura e aplicada até mesmo do ócio (tempo espiritualmente livre em contraposição ao negócio). Mas elas não ficaram imunes à emergência do capital oligopolista internacionalizado e desviaram-se de suas funções precípuas.

No caso da USP, a interface com o capital privado e com grupos políticos externos gerou uma gama de intelectuais só parcialmente comprometidos com suas finalidades: o ensino de qualidade e a pesquisa de ponta. A massificação sem recursos adicionais contribuiu também para que tivéssemos duas categorias de ensino de graduação e de pós-graduação. Read More

IHUUsininos On-Line

No artigo ”O STF mais parece uma casa de horrores”,  Vladimir Safatle faz profundas críticas sobre o funcionamento do Supremo Tribunal Federal. Na entrevista que concedeu à IHU On-Line, realizada por telefone, ele aponta que “há um conjunto de decisões que o STF tomou nestes últimos anos que são absolutamente contrárias ao que nós podemos esperar de um tribunal realmente comprometido com a democracia e a universalização dos direitos”. E cita exemplos: “a maneira como que certos banqueiros, conhecidamente corruptores, utilizaram-se do STF para conseguir ou escapar do país ou sair da prisão também é algo que nos deixa bastante dubitativos sobre o que este órgão compreende por universalização de obrigações”. Read More

“Estou em liberdade, mas não sei o que está por trás das inimizades fabricadas durante o processo”, afirmou

Suzana Vier, Rede Brasil Atual

São Paulo – Luiz Gonzaga da Silva, o Gegê, foi absolvido em júri popular no final da tarde desta terça-feira (5), segundo dia de julgamento, no Fórum Criminal da Barra Funda, na capital paulista. A decisão foi anunciada depois de o promotor Roberto Tardelli, responsável pela acusação, ter defendido a inocência do líder do movimento de moradia, classificando como “temerária” sua condenação. Read More

Reunião que votará por mudanças no oferecimento de vagas será aberta a todos os alunos e professores

Cinthia Rodrigues, iG São Paulo

A reunião da Comissão de Graduação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (Each/USP Leste) que decide sobre o remanejamento de vagas será aberta à comunidade universitária. Os eventos deliberativos tanto desta quanto de outras unidades e da reitoria da USP costumam ocorrer a portas fechadas, mas com a pressão popular após a divulgação do relatório que pede o fechamento de 330 das 1.020 vagas oferecidas atualmente, a direção cedeu e abriu a votação que ocorre nesta quinta-feira. Read More